Pia do macaco

Estava a apanhar um bocadinho de Sol e a aproveitar para arrancar umas ervas lá em cima, junto ao caminho, quando passa a Dª Arminda e mete conversa. É uma velhinha muito simpática, que por vezes vejo a passear apoiada num pesado cajado. Dizia ela que gosta muito daqui, da Quinta dos Moinhos, pois tinha nascido “lá em baixo, na casa dos moinhos”. Os pais eram moleiros e aqui viveu até aos vinte anos, altura em que casou e se mudou para casa do marido, umas centenas de metros mais acima no rio.

Estivemos a falar da água e das nascentes. Perguntou se ainda havia a nascente junto ao moinho grande. “Antigamente”, dizia, “era lá que se lavava a cara de manhã, na pia do macaco”. A pia ainda existe, embora não funcione, que a nascente foi desviada para a cisterna que agora abastece a casa. O macaco de pedra, por cuja boca jorrava a água, foi levado pelos antigos donos, quando venderam a quinta.

2 responses to “Pia do macaco”

  1. Bi says :

    Que pena!Agora com este conhecimento, mais intessante se tornaria!

  2. Bi says :

    P.S. – Interessante, de facto.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: